A palestra Estratégias de análise para doença residual mínima (MRD) em leucemia linfóide B após imunoterapia/terapia-alvo do 2º Congresso Virtual da SBPC/ML – Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial com a Dra. Sindhu Cherian, presidente da Sociedade Internacional de Citometria Clínica (ICCS) e professora adjunta do laboratório de Patologia e Medicina Laboratorial da Universidade de Washington, em Seattle mostra a evolução dos diagnósticos nos tratamentos por imunoterapia em doenças malignas hematológicas.

A Dra. Nydya Strachman Bacal, patologista clínica e membro da SBPC/ML, faz parte do departamento de Patologia Clínica no Setor de Citometria de Fluxo do Hospital Israelita Albert Einstein, que agora em Setembro completa 30 anos em diagnóstico de leucemias agudas por essa metodologia, abriu a palestra lembrando como era identificar os anticorpos inicialmente indiretos e hoje mais facilmente diretamente contra a célula de interesse, e como a tecnologia vem avançando, a evolução de softwares que tem permitido uma melhoria significativa em todo o processo, assim como o uso do vários lasers, ampliando os painéis, hoje na rotina com 15 anticorpos monoclonais simultaneamente. 

A introdução de reagentes secos, que podem ser customizados por patologias especificas, e que só necessita pipetar a amostra, pois os reagentes já estão no tubo, e a possibilidade de fazer uma programação automatizada para triagem de doenças vão permitir, cada vez mais identificar com precisão os diagnósticos e tratamentos de diferentes patologias. 

Atualmente, o diagnóstico é mais rápido e preciso em leucemias, linfomas, neoplasias plasmocitárias e no monitoramento da doença residual mínima/mensurável com uma sensibilidade chegando até uma célula anômala em um milhão de células normais. 

Segundo a Dra. Sindhu Cherian, a citometria de fluxo estabeleceu seu valor como auxílio no diagnóstico e acompanhamento de pacientes imunodeficientes congênitos e adquiridos, como os portadores de HIV, por exemplo, auxilia na viabilização do transplante de medula óssea. 

A era apenas do diagnóstico é passado nessa metodologia, pois hoje auxilia no tratamento e no prognostico da doença pela mensuração da doença residual mínima/mensurável através de sistemas de sofisticação das análises. 

O foco da palestra foi o uso da Citometria para detecção de resíduos mínimos de doenças na leucemia linfoblastica B após terapia dirigida. Cherian comenta que as terapias modernas devem sempre combinar o tratamento convencional junto com a imunoterapia, pois esta última auxilia a terapêutica direcionando mais especificamente às células neoplásicas. 

As células neoplásticas (cancerosas) se transformam e adquirem mutações e podem ser reconhecidos pelos sistemas imunológicos que tem o objetivo de identificar essas alterações. Mas o câncer pode enganar o sistema imunológico. 

Por isso o uso da imunoterapia tem crescido, pois com a imunoterapia dirigida conseguimos identificar a MRD por citrometria de fluxo. E isso é importante, pois quanto menor os índices de DRM, maior a possibilidade de remissão da doença. 

Exemplificando na Leucemia Linfoblástica B, Dra. Cherian explica a importância do marcador CD-19, associado aos marcadores CD22 e/ou CD24 que permitem analisar após o uso do anti-CD19, a discriminação da doença residual através de gráficos bidirecionais consecutivos.

Para ela, algumas estratégias para aperfeiçoar os resultados da citometria são: ter conhecimento da gama de terapia dirigida em uso nos pacientes, fazer uma boa anamnese, esteja preparado para identificar situações alternativas como estudos moleculares, não deixar de usar mais de um reagente na identificação da população para identificar populações anormais com alta sensibilidade e a sua conclusão é de esperar pelo inesperado nessas situações após terapia celular. 

O uso de terapias dirigidas vai ter um impacto considerável na interpretação dos dados de citometria de fluxo e este será um campo de estudo permanente.

A palestra “Qualidade nos laboratórios clínicos” em tempo de pandemia do 2º Congresso Virtual da SBPC/ML – Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial mostrou como o sistema de gestão da qualidade dos laboratórios foi fundamental no enfrentamento da pandemia do novo Coronavírus, assim como irá apoiar a genotipagem das novas cepas do SARS-CoV-2.

A gestora de pesquisas e desenvolvimento da Controllab, Jéssica Gomes, falou um pouco sobre o ensaio de proficiência para covid-19, que envolveu 124 laboratórios e verificou o desempenho analítico dos novos testes de identificação do SARS-CoV-2 que chegavam ao mercado, com o intuito de ter o menor erro analítico possível.

Ela lembra que foi preciso implementar os novos processos ainda sem todas as repostas em função da urgência. Ainda assim, o projeto da Controllab, em parceria com a SBPC/ML, foi acreditado pelo INMETRO como única certificadora do mundo dos exames laboratoriais destinados ao SARS-CoV-2. O projeto envolveu os três grandes grupos de exames: as técnicas moleculares (onde se encontra o padrão ouro, o RT-PCR), os imunológicos automatizados e os testes laboratoriais remotos. 

Em todos eles, os laboratórios apresentaram um excelente desempenho e todos os métodos observaram concordância com percentual de 100% e mais de 80% de adequação ao resultado.  

Em breve, a iniciativa vai lançar ainda o relatório dos exames de genotipagem do vírus, para avaliação das novas cepas, mas o bom desempenho dos laboratórios até o momento deixa a pesquisadora otimista em relação ao desempenho destes nesta nova etapa. 

A médica patologista, presidente do 2º Congresso Virtual da SBPC/ML e superintendente de qualidade segurança da Dasa, Claudia Meira, contou sobre os aprendizados e contribuições da gestão de riscos na pandemia. Para ela, o maior desafio foi a imprevisibilidade do SARS-CoV-2, ao mesmo tempo em que as decisões estratégicas não podiam ser individualizadas, mas de todo o setor.

Foi preciso reavaliar todo o cenário de equipamentos, suprimentos e conciliar com novos treinamentos constantes dos times de atendimento, novos protocolos segurança, novos fluxos de trabalho, novos exames, alta demanda, afastamento do time por doenças, além da própria gestão de risco e segurança do paciente. “Sem dúvida, o papel dos laboratórios foi de muito protagonismo nesta pandemia”, conclui. 

Para a biomédica e auditora PALC, Amanda Almeida Fernandes, os laboratórios clínicos foram os atores principais na pandemia, pois sem o RT-PCR não se saberia o destino do paciente e como gerenciar os riscos envolvidos. 

Ela comentou sobre a coleta biológica em ambientes diversos e a necessidade de adaptações que precisaram fazer em curto período, como reservar unidades exclusivas para coleta de covid-19, em função da demanda e para dar segurança aos outros pacientes acometidos por outras patologias, principalmente para os que integram o grupo de risco da doença. 

Foram criados ainda os modelos drive thru, coleta domiciliar, coleta de paciente com assistência domiciliar (com desospitalização precoce) e coletas empresariais. Além de precisarem implementar o a aumento do protocolo de limpeza, desinfecção e higienização, aumento do quadro do time de higienização e limpeza, a redução e controle de acompanhantes dentro das unidades – limitado apenas aos acompanhantes previstos em lei. 

Por fim, o médico especializado em patologia clínica, diretor Administrativo de Expansão do Grupo Sabin e diretor de Acreditação e Qualidade da SBPC/ML, Guilherme Ferreira de Oliveira, apresentou sobre os impactos da pandemia no PALC – Programa de Acreditação do Laboratórios Clínicos da SBPC/ML.

Em 11 de março quando a OMS declarou a covid-19 como uma pandemia, o maior desafio do século 21, o PALC também precisou transformar todas as suas atividades para o modelo virtual, mas não parou: fez auditorias remotas, remodelou processos, acreditou novos laboratórios e manteve o reconhecimento internacional pela IsQUA.

O foco foi manter o cuidado com as pessoas – tanto auditores e equipe PALC quanto os clientes – mas manter o programa vivo.

Em 13 de novembro de 2020 foi lançada ainda a sétima versão da Norma PALC. Oliveira é enfático ao concluir que os laboratórios acreditados responderam melhor à pandemia, o que reforça a importância do setor de qualidade na pandemia e como a qualidade auxiliou na organização da resposta adequada no momento de crise, padronização de novas rotinas e validação de novos métodos necessários para o enfrentamento da pandemia

A cerimônia de abertura do 2º Congresso Virtual da SBPC/ML foi marcante. O show deste ano ficou por conta do Trio Amadeus, grupo de Belo Horizonte, que fez uma bela apresentação do Hino Nacional Brasileiro. Após a apresentação musical, o presidente da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML), Dr. Carlos Eduardo dos Santos Ferreira, cumprimentou os presentes e parceiros e lamentou a morte dos que se foram devido, especialmente, o acometimento da COVID-19.

A seguir, ele resumiu todo o esforço da SBPC/ML ao longo do ano a fim de discutir e entender as nuances do SARS-CoV-2 por meio da participação da entidade em eventos, presença na mídia, na criação de seu podcast Papo de Laboratório, relacionamentos com órgãos reguladores, que é um trabalho executado por toda a diretoria da instituição, bem como seu conselho de ex-presidentes, associados e colaboradores.

Ele citou, também, a intensa participação da SBPC/ML em relação aos apontamentos à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) acerca das Consultas Públicas RDC 911, 912 e a revisão da 902, a qual aguarda-se a avaliação.

O presidente agradeceu, também, as Diretorias de Ensino, Comunicação e Marketing, Acreditação e Qualidade, Administrativa e Financeira, ao vice-presidente da instituição pelo empenho de todos. Ele também deixou uma mensagem de carinho ao saudoso Dr. Ismar Venâncio Barbosa, Membro Emérito da SBPC/ML, que faleceu recentemente, salientando a atenção e elegância do médico, que por muitas vezes carregava, em seus ternos, o botton da entidade.

A Dra. Claudia Meira, presidente do 2º Congresso Virtual da SBPC/ML disse que, mais uma vez, a entidade está inovando, por trazer um ótimo conteúdo científico, startups e palestrantes internacionais para o evento.

Ela agradeceu a instituição pela confiança pela responsabilidade de capitanear o congresso, e frisou que essa mesma responsabilidade é regada de outras excelentes qualidades as quais ela tem desfrutado atualmente, como o amor, gratidão e amizade.

Segundo a médica, no ano passado, mesmo com tantas perdas, a Patologia Clínica conquistou um grande reconhecimento. Foram realizadas muitas lives, a inteligência artificial foi um diferencial, além das inovações. Aliás, os desafios e as inovações persistem e nesse congresso os participantes poderão ver como elas podem melhorar a Medicina Diagnóstica, bem como as condições dos pacientes.

O coordenador da Comissão Científica do congresso, Dr. Leonardo Vasconcellos, ressaltou a íntima relação entre a tecnologia e a Medicina Laboratorial e agradeceu a indústria, que ofereceu cerca de 23 workshops para o evento, falou da melhoria na interação dos estandes virtuais, citou a realização dos 15 Cursos Pré-Congressos e dos 15 Encontros com Especialistas, e mencionou que serão realizadas, ao longo dos dias, 18 mesas redondas. O evento trará cerca de 128 palestrantes, entre eles três internacionais que ministração as Magnas. E falou sobre as novidades, entre elas os Concursos de Fotografia, de Aulas Acadêmicas, e o Pitch Startup.

Durante a apresentação da mesa julgadora do congresso, composta pelos Drs. Carlos Eduardo, Leonardo, Claudia, Marinês Dalla Valle Martino – coordenadora executiva do 2º Congresso Virtual da SBPC/ML, e Silvana Maria Eloi Santos – coordenadora da Comissão de Julgamento dos Temas Livres do 2º Congresso Virtual da SBPC/ML. A Vice-presidente da Sociedade Brasileira de Análises Clínicas (SBAC) Maria Elizabeth Menezes salientou que o 2º Congresso da SBPC/ML é um marco na Medicina Laboratorial por sua temática e desejou um ótimo evento a todos.

Já a Dra. Natasha Slhessarenko, conselheira do Conselho Regional de Medicina (CRM), explicou que o conselho tem se mantido firme sobre as condições do trabalho médico, na defesa da ciência e na autonomia dos profissionais, sempre no foco com o paciente. Também apoia totalmente a imunização em massa, pois é o que ajudará a sociedade a sair mais rapidamente da pandemia. Ela disse, também, que o aumento da cobertura vacinal de outras doenças é outra preocupação do CRM.

Ao falar de transformação digital, ressaltou a telemedicina, que se consolidou em 2020 e surgiu como um espaço de interação entre médico e paciente. Sobre esse tema, o CRM tem ouvido os médicos, por isso a importância de se responder a pesquisa que o conselho enviou por e-mail aos profissionais para que consigamos fazer uma resolução que contemple a todos. A médica aproveitou a oportunidade para homenagear as pessoas que se foram pela COVID-19, além de saudar o querido Dr. Ismar. Por fim, desejou um excelente congresso aos participantes e mencionou a importância de todos continuarem se cuidando por usar máscaras e evitar aglomerações, para todos que saiamos dessa pandemia seres humanos melhores.

Finalizando as falas dos componentes da mesa, o Dr. Wilson Shcolnik, presidente do Conselho de ex-presidentes da SBPC/ML, anunciou os novos Membros Eméritos da entidade. São eles: Ângela Maria Rodrigues Dantas, Celso Ricardo Theoto Pereira da Fonseca, Dilza Lopes de Albuquerque, Ecila Soares Abrão, Fernando Mauro Furtado Coutinho, João Batista Luna Filho, Jorge de Souza Holanda, Jorge Luiz Fernando de Menezes, Lucia Maria de Oliveira, Mario Bonffito, Mario José Carneiro Felippe dos Santos e Regina Maria Loda.

A seguir, o Dr. Eduardo Emery foi convidado para homenagear o grande amigo Dr. Ismar, com quem teve a oportunidade de cursar medicina e viver muitos momentos marcantes ao longo da vida. 

Muito emocionado, deixou seu afeto à filha do Dr. Ismar, a Luciana, que carinhosamente o chama de tio. Ele finalizou sua fala citando a obra de Santo Agostinho “A morte não é nada”.

Como anualmente ocorre, foi realizado o lançamento do livro “Recomendações da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML)”, com o título “Boas Práticas em Laboratório Clínico”, desta vez na versão em espanhol”, anunciado pelo Dr. Nairo M. Sumita, diretor regional sudeste da SBPC/ML.

A versão espanhola se dez necessária em razão da grande repercussão da publicação em português e para atender às inúmeras solicitações de acesso por médicos da América Latina. A publicação já está disponível em formatos PDF e e-book no site http://www.sbpc.org.br/ em “Biblioteca Digital”. 

O 2º Congresso Virtual da SBPC/ML será realizado até o dia 11 de setembro. Para mais informações, acesse o site https://congressovirtualsbpcml.eventslab.com.br/.

A Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML) divulga a lista de temas selecionados dos trabalhos de Temas Livres que serão apresentados no dia 4 de setembro para a comissão avaliadora. 

Durante o 2º Congresso Virtual da entidade, marcado para os dias 7 a 11 de setembro, todos os trabalhos orais, bem como os demais, serão exibidos em formato de pôster eletrônico no site congressovirtual.sbpc.org.br e, posteriormente, os resumos estarão disponíveis para consulta no Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial (JBPML). 

Os temas ganhadores serão anunciados na cerimônia de encerramento do evento e os autores receberão os Prêmios Dr. Evaldo Melo, Dr. José Carlos Basques, Paulo Guilherme Cardoso Campana e Dr. João Nilson Zunino.Para saber o que cada um contempla, acesse: http://congressovirtual.sbpc.org.br/download/temalivre_premiacao.pdf.

 

Veja abaixo a lista dos trabalhos:

Título: A operação e gestão do processo de auditorias internas da qualidade em diferentes normas de acreditação e em diferentes sites por meio de aplicativo móvel.

Autora responsável: Edina Regina da Silva Orelli.

Coautores: Marlen Francisco dos Santos Ramos e Cristiane Terezinha de Godoi Pedroso.

Instituição: DASA.

Área: Gestão.

 

Título: Performando o indicador de avaliação externa da qualidade através da autogestão.

Autora: Lígia Maria Magalhães.

Coautores: Daniane Grando Remor Canali, Claudia Maria Meira Dias, Luma Sousa da Mata, Jade Marie Correia Silva, Marlen Francisco dos Santos Ramos.

Instituição: DASA.

Área: Qualidade.

 

Título: Comparison between chemiluminescence and latex agglutination immunoassays for D-dimer.

Autor: Felipe Magalhães Furtado.

Instituição: Sabin Medicina Diagnóstica.

Área: Hematologia.

 

Título: Impacto na vigilância epidemiológica com a implementação do teste de o.k.n. nas áreas assistenciais de um complexo hospitalar.

Autora: Aline Fossá.

Coautores: Everton Inamine, Cristiani Gomes de Marques, Cláudia Figueiredo de Meirelles Leite, Camila Mörschbächer Wilhelm, Jéssica Nesello dos Santos, Juliana de Alexandria Machado, Ionara Ines Kohler.

Instituição: Santa Casa de Misericórdia, Porto Alegre. 

Área: Microbiologia.

 

Título: Análise de mediadores imunes circulantes em pacientes com insuficiência renal aguda (IRA) secundária à COVID-19.

Autora: Thalia Medeiros Tito Avelar.

Coautores: Gabriel Macedo Costa Guimarães, Fabiana Rabe Carvalho, Renan da Silva Faustino, Ana Carolina Campi Azevedo, Vanessa Peruhype Magalhaes Pascoal, Jorge Reis Almeida, Andrea Alice da Silva.

Instituição: Universidade Federal Fluminense .

Área: Imunologia.

 

Título: Resposta sorológica após a primeira e a segunda dose da vacina CoronaVac COVID-19 em profissionais de laboratório.

Autor: Adriano Basques Fernandes.

Coautores: Eliane Dias Lustosa Cabral, João Rodrigo Campos, Gabriel Pissolati Mattos Bretz.

Instituição: Laboratório Lustosa.

Área: Imunologia.

 

Título: A gestão em tempo real do controle externo da qualidade através de dashboard em uma rede de laboratórios brasileiros.

Autora: Moira Regina Qualidade Teixeira.

Coautores: Mariana Xavier Lima Castanho, Maria Luiza Figueiredo Nogueira, Daniane Grando Remor Canali, Claudia Maria Meira Dias.

Instituição: DASA. 

Área: Qualidade.

 

Título: Uso de formulário virtual para melhoria de gestão da qualidade de glicosímetros.

Autora: Raquel Weber.

Coautores: Juliana de Paoli, Marilei Wolfart, Daniel Writzl Zini, Ricardo Machado Xavier.

Instituição: Hospital de Clínicas de Porto Alegre.

Área: TLR.

 

Título: LDL oxidada circulante prediz risco de eventos cardiovasculares adversos maiores em homens com diabetes mellitus tipo 2.

Autora: Viviane Sant Anna.

Coautores: Esteferson Fernandes Rodrigues, Henrique Andrade Rodrigues da Fonseca, Magnus Gidlund, Maria Cristina de Oliveira Izar.

Instituição: Universidade Federal de São Paulo.

Área: Imunologia.

 

Título: Estimativa de custos dos exames coloração de Gram e hemocultura no serviço de microbiologia de um hospital público federal.

Autora: Isadora Bevilaqua Fernandes.  

Coautores: Thaís Guimarães de Faria, Luiz Henrique Furbino de Britto, Leonardo de Souza Vasconcellos, Juliana Alvares.

Instituição: Serviço de Medicina Laboratorial do Hospital das Clínicas da Universidade de Minas Gerais (HC/UFMG). 

Área: Microbiologia.

A Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML) divulga as datas, temas e especialistas que proferirão as Palestras Magnas do 2º Congresso Virtual da entidade, marcado para os dias 7 a 11 de setembro.

A primeira apresentação, com o tema “COVID-19 – O que aprendemos e perspectivas”, será no dia 7/9, com início às 20h, e feita pela Dra. Margareth Maria Pretti Dalcolmo, professora adjunta da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

No dia 8/9, às 21h, a Dra. Sindhu Cherian, presidente da Sociedade Internacional de Citometria Clínica (ICCS) e professora adjunta do laboratório de Patologia e Medicina Laboratorial da Universidade de Washington, em Seattle, discorrerá sobre “Estratégias de análise para doença residual mínima em leucemia linfóide B após imunoterapia/terapia-alvo”.

Já em 9/9, a partir das 21h, o tema será “O perfil lipídico – qual é a melhor escolha?” e o convidado para ministrá-la é o Dr. Seth Shay Martin, cardiologista preventivo e lipidologista clínico no Hospital Johns Hopkins em Baltimore, Maryland.

No dia 10 de setembro, às 21h, o Dr. Khosrow Adeli, Chefe de Bioquímica Clínica do Hospital for Sick Children e o Vice-Presidente de Laboratório de Medicina e Patologia da Universidade de Toronto em Toronto, Canadá, falará sobre “Estudo multicêntrico global sobre Intervalos de Referência: o projeto Caliper”.

Fechando a série das Magnas, às 10h30 do dia 11/9, o Dr. Victor Gadelha, fundador da MEDVR, startup de realidade virtual aplicada à saúde, apresentará o tema “Como a inovação está transformando a medicina – passado, presente e futuro”.

Os interessados em assistir poderão fazer a inscrição pelo site https://congressovirtualsbpcml.eventslab.com.br/. No ícone “programação”, é possível conferir todos os temas de cada dia e “favoritar” os de interesse para que receba os lembretes dos dias e horários por e-mail ou pelo próprio site do evento – uma agenda personalizada para o participante.